Alterações Laboratoriais e Prostáticas Decorrentes do Uso de Esteróides Anabolizantes

Alterações Laboratoriais e Prostáticas Decorrentes do Uso de Esteróides Anabolizantes
0 14 julho 2015

Alterações Laboratoriais e Prostáticas Decorrentes do Uso de Esteroides Anabolizantes.

Próstata

A glândula prostática faz parte do sistema reprodutor masculino . Seu tamanho aumenta com o passar da idade e pesa normalmente 20 g; com tumor, varia de 60 a 100 g. Possui a função de secretar um líquido alcalino com aspecto leitoso para aumentar o volume do sêmen de 40 a 50%. A alcalinidade serve como apoio a motilidade, à fertilização dos espermatozoides e à neutralização das secreções vaginais ácidas.

O câncer de próstata, por ser assintomático na fase inicial, faz o paciente começar a ter dificuldades de urinar, dores, presença de sangue, queimação e alterações gastrointestinais devido ao não acompanhamento do urologista. Homens acima de 45 anos de idade devem realizar exames anuais, independente da apresentação de sintomas ou não. Pois o câncer de próstata pode sofrer metástase afetando vários órgãos, como por exemplo, as vesículas seminais, uretra e bexiga, passando pelos pulmões, fígado e medula óssea.

Patologias prostáticas

A próstata sofre alterações no seu tamanho com o passar da idade, por isso, pode apresentar patologias, como: o câncer de próstata, hiperplasia benigna ou somente umas prostatite. Como qualquer órgão ou tecido, a próstata também se multiplica e se divide.

O câncer de próstata é a sexta doença mais comum no mundo. O maior fator contribuinte para a sua progressão ainda continua sendo relacionado a constrangimento, desinformação, medo e preconceito.

A próstata sofre influência de fatores intrínsecos – os hormônios como fatores de crescimento que interferem em nível de epitélio e de estroma. Os fatores extrínseco – os hormônios andrógenos, estrógenos e não esteroidais – influenciam também neste aspecto o estilo de vida, fatores imunológicos e fatores genéticos – como presença dos genes homoeróticos – ou doença hereditárias.

O alto nível plasmático de testosterona influência no aumento do câncer, porém ainda esta em estudo. A administração de anabolizantes em homens com hipogonadismo pode apresentar o efeito no PSA e no volume prostático.

A testosterona atravessa a membrana plasmática das células da próstata e a enzima 5 a – redutase presente no envoltório nuclear convertendo em DHT, que por sua vez codificam varias proteínas e alguns fatores de crescimento, liberando uma cascata de sinais importantes na proliferação celular da próstata.

Os esteroides anabolizantes e suas ações

Os hormônios esteroides são sintetizados na glândula suprarrenal e nas gônadas, sendo a testosterona produzida pelas células de Leydig dos testículos através de estímulos do hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH). Este atua na hipófise estimulando a produção de FSH ( hormônio folículo estimulante) para a gametogênese, e de LH ( hormônio luteinizante ), para a produção dos andrógenos.

Os efeitos androgênicos são: crescimento do pênis, espaçamento das cordas vocais, maior desejo sexual, aumento da secreção das glândulas sebáceas e de pelos pelo corpo.

Os efeitos anabólicos apresentam: aumento de massa muscular esquelética, aumento da concentração de hemoglobina, aumento do hematócrito, aumento da retenção de nitrogênio, aumento da deposição de cálcio nos ossos e redução de gordura corporal.

Os esteroides são derivados da testosterona. Inicialmente foi utilizado como meio terapêutico. Depois usado para desenvolver força e velocidade. Assim serviu como auxilio aos atletas, para melhorar o desempenho físico, aumento da hipertrofia muscular com ganho de massa magra, densidade óssea, função sexual e eritropoiese.

Vários atletas de elite tiveram contato com a droga e, posteriormente, foram pegos pelos exames antidoping. Os esteroides atuam de maneira direta e indireta. No direto, o hormônio se liga em seu receptor intracitoplasmático para iniciar síntese proteica, e com a administração, aumenta o número de receptores fazendo a hipertrofia muscular. A forma indireta se da com a interação do hormônio com os fatores que auxiliam para a síntese proteica.

Consequências

Os efeitos colaterais mais comuns pelo uso de esteroides são: Aumento da quantidade de pelos, calvície, acne pelo acúmulo de gordura nas unidades polissebacea, atrofia testicular ( esterilidade ), insuficiência renal, levando a retenção hídrica, glomerulonefrite, ginecomastia, depressão com distúrbios psiquiátricos, falência hepática, doenças infecciosas, impotência sexual, hipertensão arterial, câncer de próstata, aumento no numero de células vermelhas no sangue ( policetemia), aumento de câimbras musculares.

Atualmente, nos encontramos em uma Era Fitness, onde a mídia, por ser a fonte de informação em peso mais rápida, influência diretamente sobre o uso de esteroides.

A imposição do corpo perfeito é um parâmetro inexistente, já que o padrão estético muitas vezes não revela o estado intracorpóreo.

A utilização de esteroides vem crescendo com o passar dos dias e é importante reforçar sobre os riscos destas drogas, ressaltando suas consequências imediatas ou tardias, mediante alterações laboratoriais encontrada nos respectivos usuários.

Posted in Artigos